4 dicas essenciais para garantir uma rede doméstica segura

0
1342

Akamai, empresa líder em cibersegurança, alerta que a rede doméstica pode ser um meio relativamente fácil para ataques de hackers e outras ameaças virtuais

 

Muitas pessoas que não possuem um conhecimento profundo sobre internet e tecnologia acreditam que a “rede doméstica” é um sinônimo de Wi-Fi ou conexão banda larga que existe em uma residência. Muito mais do que isso, a rede doméstica é um conjunto de dispositivos como smartphones, computadores, impressoras, tablets e outros que podem se conectar à internet e também entre si. O Wi-Fi e a internet banda larga na verdade são os meios pelos quais as redes domésticas podem ser conectadas.

O estabelecimento do modelo de trabalho remoto durante a pandemia fez com que as pessoas precisassem usar as redes domésticas para trabalhar, porém muitas empresas acabam negligenciando esse ponto da segurança digital. Logar em e-mail corporativo, editar documentos remotamente, acessar pastas de arquivos compartilhados e trocar outras informações livremente, tudo isso pode ser feito por meio de um computador ou celular conectados à internet. Essas facilidades otimizam o trabalho e são positivas, entretanto, carregam consigo um alerta: uma rede doméstica segura é essencial para a segurança cibernética da empresa e dos usuários.

Para aproveitar a rede doméstica de forma segura, seja para trabalhar ou somente para uso pessoal, a Akamai, empresa global de cibersegurança e entrega de experiências digitais, listou quatro dicas para utilizar a rede doméstica de modo mais seguro.

  • Defina uma senha forte para o seu Wi-Fi

Na maioria das vezes, os roteadores já vêm de fábrica com pré-configurações e uma delas é a senha padrão. Helder Ferrão, Gerente de Marketing de Indústria da Akamai para a América Latina aponta que “ao não mudar essa senha de fábrica, uma invasão é facilitada já que os hackers podem adivinhar as senhas, especialmente caso conheçam o fabricante do roteador. Como muitos deles são de marcas conhecidas, a tarefa fica ainda mais fácil para os criminosos, pois a senha padrão já foi desvendada e divulgada”.

Para se prevenir ainda mais, Helder sugere que o usuário mude a senha do seu Wi-Fi o quanto antes e opte por uma senha forte com ao menos 12 caracteres combinados entre letras maiúsculas e minúsculas, números e símbolos. Além disso, é recomendável alterar a senha no mínimo a cada três meses, assim a rede doméstica se torna invariavelmente mais segura.

  • Ative o firewall

Segundo Helder, a maior vantagem do firewall doméstico é a sua capacidade de proteger os dispositivos conectados à rede doméstica. Ele funciona como uma barreira digital de via única, agindo para bloquear o acesso de dispositivos da internet à rede. Ao mesmo tempo em que atua dessa forma, também permite que os dispositivos na rede doméstica se conectem a dispositivos na internet.

“Em geral, os roteadores vêm de fábrica com firewalls de rede habilitados, entretanto, é aconselhável verificar regularmente se o firewall está habilitado. Caso o roteador não tenha um firewall, uma opção viável é instalar uma solução de firewall doméstico no sistema para se prevenir contra ataques ao roteador”, acrescenta Helder.

  • Considere usar uma técnica ou solução de acesso remoto com maior proteção

O acesso remoto ao ambiente de trabalho requer maior cuidado, pois este pode ser o caminho para que os criminosos penetrem os equipamentos dos usuários e, consequentemente, os ambientes das empresas. Existem diferentes alternativas de acesso remoto que implementam níveis mais adequados de segurança, e cabe às empresas descidirem por qual das alternativas disponíveis no mercado o acesso remoto de seus funcionários será viabilizado. A maioria das soluções utilizam técnicas de autenticação e criptografia dos dados acessados, aumentando consideravelmente a privacidade dos usuários, das informações, das aplicações sendo acessadas e dos diferentes mecanismos de autenticação em uso durante o acesso. Isto torna os dados ilegíveis e impede que agentes maliciosos monitorem a atividade sendo realizada nas redes, sendo que, na maioria das vezes, também impede a identificação da localização da rede e usuário.

Estas técnicas de proteção, normalmente, também protegem os endereços IP dos dispositivos, fazendo com que aparente que os usuários estão acessando de um local diferente do qual se encontra. Além dos computadores, as técnica e soluções de segurança também podem ser usadas em celulares, tablets e outros gadgets.

É provável que sua empresa já tenha implementado alguma solução de acesso remoto seguro, caso contrário ou caso você desconheça, vale a pena perguntar.

  • Modifique o endereço IP interno do roteador

Os criminosos virtuais podem ter facilidade para encontrar os endereços IP interno padrão dos roteadores, principalmente os de marcas mais conhecidas – muitas vezes presentes em páginas, fóruns, grupos etc. Para evitar ser vítima e proteger ainda mais uma rede doméstica, é recomendável alterar o endereço IP interno do roteador pelo menos uma vez desde seu primeiro uso.

Helder explica que “fazer isso é mais simples do que parece, basta fazer login no console do administrador do roteador e pesquisar as configurações de rede ou LAN/DHCP. Após isso, é possível alterar o endereço IP interno. Salve ou anote o novo endereço em local seguro e que você se lembrará posteriormente”. Uma vez alterado, deve-se usar o novo endereço para acessar as configurações do roteador. Caso seja necessário alterar novamente o endereço IP, é possível restaurar o roteador para as configurações originais de fábrica e repetir o processo.